A reforma tributária já é assunto no Brasil a bastante tempo e é do conhecimento de todos o debate sobre esse assunto. Os impostos representam um enorme peso financeiro na vida das pessoas físicas e jurídicas e a cada novo ano seu valor só faz crescer.  

No ano de 2019 a carga tributária representou 35,17% do PIB brasileiro e isso basicamente quer dizer que a quantia arrecadada só de impostos era igual a mais de um terço de todas as riquezas obtidas no ano.

Devido aos altos valores cobrados apenas de impostos uma reforma está sendo analisada para que o sistema tributário brasileiro seja um pouco mais justo.

O que é a reforma tributária?

A reforma tributária nada mais é do que uma mudança nos impostos cobrados sobre seus contribuintes afim de atingir algum objetivo. Nesse caso a reforma tributária vem com o objetivo de reduzir burocracia, aumentar a eficiência na arrecadação e ser um processo mais transparente. A proposta de reforma traz benefícios ao estado que pode começar a arrecadar mais e melhor enquanto a população começa a ter acesso sobre a gestão desse dinheiro de forma mais clara.

Principais mudanças que a reforma tributária irá trazer:

Simplificação para as empresas

Com a reforma tributária irá haver uma redução da tributação a pessoa jurídica fazendo com que aumente a competitividade das empresas. Essas empresas irão passar a serem menos taxadas por suas atividades e ainda vão poder contar com a eliminação Imposto sobre Produto Industrializados (IPI) que incide sobre a indústria.

Imposto digital

Essa certamente é uma das mudanças que gera maior polemica nessa reforma. O ministro da economia Paulo Guedes assim que começou a divulgar sobre a reforma tributária já havia mencionado sobre a criação do imposto digital que foi permitido pelo presidente.

Esse tributo teria alíquota de 0,2% e recairia sobre qualquer tipo de transação digital, seja ela compras de débito, crédito e pagamentos online.

Imposto de renda

O Imposto de Renda também vem sendo anunciado que passara por mudanças. A reforma seria eliminar algumas deduções que são autorizadas, como despesas médicas e educação. Para compensar a eliminação desses dois pontos o governo garante reduzir o valor do imposto de renda e reduzir a alíquota de 27% para 25%.

Enquanto as mudanças não vão acontecendo é necessário que os contribuintes fiquem atentos ao Imposto de Renda 2022 que esta por vir e as novas alíquotas do IR a partir de 2022 para continuarem em dias com o Governo Federal.